Até que...meus olhos se fechem,
hei de contemplar a beleza,
até mesmo aquela que se esconde,
na feiúra de traços rudes,
pois com toda a certeza,
no interior de quem se acha feio,
mora um mundo de ternura,
aguardando apenas que alguém
traga as chaves da porta do coração,
desvelando o espelho interior.

Até que...meus pés me levem,
a trilhar caminhos os mais diversos,
conhecendo gente que é gente,
lugares pitorescos e bucólicos,
tradições e costumes diferentes,
ora pisando na beira do mar,
ou nas pedras da encosta,
ou mesmo na barranca do rio,
até que o cansaço me vença
e descanse à sombra dos arvoredos.

Até que...meu corpo agüente o tempo,
e a mente se conserve lúcida,
hei de cultivar o amor maior,
encontrando a bondade das criaturas,
tentando semear alegria e entusiasmo.
Meu caminhar agora sereno e firme,
não mais teme os vendavais
e nem mesmo as tempestades,
pois sabe que o arco-íris desponta,
colorindo cada novo dia.

Até que...o coração palpite forte,
irei andarilhando pela vida afora.
Na mochila a colcha da esperança,
que irá me cobrir nas noites frias
e um cantil de água cristalina,
que me refresque nas tardes quentes.
E claro...não poderia esquecer
nesta jornada inquietante,
um livro de utópicos poemas,
em que a paz, a justiça e o amor concretizados,
materializam o grande sonho da humanidade.

Até que...

Comentários

Mensagens no seu e-mail

Trilha Sonora

Mensagens Relevantes