Eu posso fingir que você não existe? Bem que eu gostaria de conseguir... Eu realmente prefiro pensar que você não existe. Que nunca existiu. Ou ao menos que nunca te vi, nem ouvi... nem senti... Eu queria te apagar completamente da minha memória pra não ficar me questionando se eu vivi mesmo ou se foi só mais um sonho dessa nobre... pobre poetisa. Eu não quero mais ficar fugindo louca das lembranças e me vigiando o tempo inteiro para não pensar em você. Não quero ficar tentando me conformar com a tua indiferença, inventando desculpas tolas pra mim mesma na tentativa de justificar tua frieza. Não quero mais gritar de hora em hora dentro dos meus vácuos sentimentais que você não me merece e que tenho que esquecê-lo. Estou cansando – com medo – de perceber que estou começando a sofrer de novo depois de tanto tempo. Não quero me conformar com isso. Quem pensas que és? Meu Deus...! Quem é você pra me fazer sofrer? Pra me deixar assim! Tu não deves passar de mais um moleque de vinte anos, insosso, imaturo, inseguro e incapaz de me fazer feliz. Só mais um rosto (e corpo, e voz, e olhar, e beijo...) bem desenhado no qual eu pintei um semblante que não existe, uma máscara ao meu gosto atropelando tudo – ou o nada – que você é. Te tendo pra mim exatamente como desejei... até a tinta da máscara se esvair totalmente, me fazendo perder a vontade de te ter, pois já não é mais o que eu pintei, inventei, fantasiei. Serás o que realmente és e isso – esse – não me apaixona, não me faz feliz, não me satisfaz... Injusto? Muito! Eu sei que fazer isso é injusto. É como se eu “os” tratasse como telas brancas, vazias, prontas para serem o que eu quiser que sejam. Mas isso não é problema meu? Não sou eu que me iludo e me desiludo quando minha obra prima perde o prazo de validade? Eu os uso? Talvez... Mas eu me dou! Me dou tão intensamente que eles acabam ganhando mais do que eu! E eu ganho? É como se não houvesse uma partilha, como se só eu me doasse – pra eles e pra mim mesma – já que eu recebo deles uma realidade – uma mentira na verdade – que vem de mim! Por tanto o defino como só mais um... Mais um que vai me pertencer e não me ter. Não esperarei mais nada de ti além da tua insignificância, além do que tu tens de igual a todos, além da tua insensibilidade e incapacidade de me ver, me ver como realmente sou. Vai ser simples como sempre é, como sempre faço. Vou acordar amanhã e levianamente dizer “Não te amo mais” com a mesma facilidade de todas as outras vezes. E mais fácil ainda porque – acho – nem cheguei a amá-lo. Sim, eu sei... Antes que alguém venha me ‘informar’ do lado bom das coisas, tipo: “Ah, mas nós sempre aprendemos... Claro que foi uma partilha... Você não pode tentar esquecer assim já que foi tão bom... foi bom enquanto durou... blá blá blá...”. Eu sei... Sei disso. Sei bem o que aprendi. Mas se eu me perguntar “Faria novamente?”? Sinceramente? Tenho medo da resposta. Foi tão bom que talvez eu trocasse “dez noites mais felizes da minha vida” só para senti-lo e tê-lo em meus braços novamente. Agarrar-me com mais intensidade ainda – se é que é possível – a cada detalhe daquela noite e extasiar-me da mais pura troca de prazer, de sentimento e talvez de felicidade. Porém, eu também seria capaz de trocar “dez noites mais tristes da minha vida” só para não sentir essa angústia que quer me destruir agora! Que vem tentando me diminuir e me convencer que sim... estou sofrendo novamente por um homem...
Estou buscando desesperadamente orgulho dentro de mim para poder superar essa loucura. Já que não vou pedi-lo para me esquecer, vou esquecer da fração de mim – que agora é imensa! – que tanto te quer e desprezá-la como deveria fazer com você – e não consigo. Vou dar a ela a indiferença e a pouca importância que está dando a mim e ao “que vivemos”, porque talvez assim eu consiga dormir. Porque talvez assim, fingindo que te atinjo ao me atingir eu volte a minha realidade e pare com essa ideia boba de sofrer por você...

P.S.: Pelo menos para inspirar-me tu serves – mesmo sem saber.

Eu não Aceito

Comentários

Mensagens Relevantes